O Cálculo Renal

Tire suas dúvidas a respeito do cálculo renal.

O que é cálculo renal?

Popularmente conhecido como pedra dos rins, o cálculo renal ou litíase renal é o produto da sedimentação de metabólitos produzidos pela filtragem do sangue pelo rim.

Na verdade, o cálculo renal é uma nomenclatura imprecisa. Melhor chamá-lo de cálculo das vias urinárias porque pode acometer qualquer ponto do aparelho constituído pelos rins, ureteres, bexiga e uretra.

Como se formam os cálculos renais?

Os rins recebem sangue bombeado pelo coração. A filtragem do sangue ocorre em estruturas microscópicas chamadas glomérulos. A medida que se dá a filtração se forma a urina. Assim, o sangue que sai dos rins está limpo de uma variedade de impurezas, como a creatinina, uréia, ácido úrico.

A urina normal tem um equilíbrio entre algumas substâncias que favorecem a formação de cálculos e outras que inibem a formação. De modo, que se houver excesso de elementos formadores, ou falha dos inibidores, se formam os cálculos.

A formação de cálculos nos rins geralmente ocorre por duas principais causas: hábitos de vida das pessoas e herança genética. Sendo assim, o excesso de alimentos ricos em proteína animal e de sódio (sal), e uma baixa ingestão de líquidos aumentam a chance das pessoas desenvolverem cálculos renais. Baixos níveis de citrato na urina e o aumento da eliminação de cálcio e de ácido úrico pelos rins também favorecem a formação dos cálculos renais. Alguns medicamentos e algumas doenças podem levar a formação do cálculo.

Existem pessoas mais suscetíveis a este tipo de doença? Idade ou sexo influenciam no aparecimento da litíase renal?

A incidência da litíase renal na população em geral gira em torno de 10%

Os indivíduos cujos familiares apresentam cálculo renal, aqueles que possuem uma vida sedentária com ingestão de grande quantidade de proteína animal e sal são mais propícios a apresentarem cálculo renal. A obesidade, sedentarismo, doenças da tireóide e paratireóides como o hipertireoidismo e o hiperparatireoidismo; a osteoporose e algumas doenças intestinais também podem levar a formação de cálculos nos rins. O uso crônico de alguns medicamentos como o caso dos corticóides, diurético como a furosemida e do indinavir (anti-retroviral) também favorecem o aparecimento de litíase.

Geralmente a primeira crise de cólica renal ocorre na infância e recorre em 50% dos casos ao longo da vida. Entretanto o primeiro episódio pode acontecer em qualquer idade.

Esta doença, acomete mais os homens numa proporção de 3:1 em relação as mulheres.

Todo o cálculo urinário causa dor?

Quando o cálculo se encontra no parênquima renal é assintomática. Quando vai, porém, para a parte central do rim onde estão os tubos coletores, pelve renal e para os ureteres pode provocar dor de forte intensidade. Esta dor é a cólica renal, que requer cuidados médicos imediatos.

O cálculo causa o bloqueio da passagem da urina, levando assim ‘a dilatação a montante do sistema urinário, causando dor entre outros sintomas.

Contudo, alguns indivíduos têm cálculo renal sem dor ou com dor leve, o que é muito perigoso. Alguns casos a pedra obstrui o ureter com pouca dor, que desaparece depois de algum tempo, apesar de ela não ter sido eliminada. O cálculo alojado no ureter determinando obstrução na via urinária, compromete o funcionamento do rim e pode provocar perda ou destruição do tecido renal.

O que é cólica renal, e quais são as suas características?

A dor do cálculo renal é muito forte, tipo cólica ou aperto, aguda, ou seja, súbita, e cíclica. É uma dor lombar alta, unilateral, podendo irradiar para flanco (região lateral do abdome), pela pelve e grandes lábios na mulher ou testículo nos homens. A dor na maioria das vezes é intolerável, realmente intensa, muitos médicos afirmam que provavelmente seja a dor de maior intensidade. É importante salientar que a posição ou o movimento do corpo não influem no aparecimento nem na intensidade dessa dor.

Alguns sintomas podem estar associados à cólica renal, o principal deles é o vômito seguido de sangue na urina, febre e dor ao urinar.

Como se faz o diagnóstico da litíase renal?

A clínica, ou seja, os sintomas descritos anteriormente, sugerem cálculo obstrutivo, porém não nos dá o diagnóstico definitivo. Testes diagnósticos específicos podem então ser realizados para confirmar a litíase.

Exames de sangue e de urina podem ajudar a detectar algumas anormalidades que podem promover a formação de cálculos. Mais freqüentemente, os cálculos renais são encontrados em radiografia ou ultra-sonografia. Podemos também lançar mão de exames mais complexos como a urografia excretora ou tomografia computadorizada em casos que deixam dúvidas. Esses métodos diagnósticos oferecem informações importantes sobre o tamanho e localização das pedras.

Quais são os tratamentos para o cálculo renal?

Alguns cálculos são eliminados espontaneamente, necessitando somente de tratamento suportivo das crises dolorosas.

Em alguns casos devido ao tamanho do cálculo, sua localização ou grau de complicações , há necessidade de cirurgia

Há alguns anos a cirurgia aberta, com corte, era a cirurgia de eleição para o cálculo renal, no entanto este tipo de cirurgia vem caindo em desuso. As cirurgias eram longas com grandes incisões e muito dolorosas no pós-operatório.

Hoje em dia com o advento da cirurgia endoscópica, estes procedimentos se tornaram muito menos agressivos para o paciente, com o pós-operatório muito mais seguro e tranqüilo.

Litotripsia Extracorpórea é o termo que se usa para a destruição e pulverização do cálculo renal através de ondas ultrassônicas de choque que atravessam o corpo em direção aos rins e vias urinárias sem a necessidade de cirurgia. Algumas vezes este tipo de cirurgia pode ser danoso aos rins ou não ser muito efetiva.

A última palavra para o tratamento do cálculo renal, que vem sendo utilizado nos grandes centros do mundo todo é a cirurgia endoscópica com destruição do cálculo a laser. No Brasil ainda é pouco difundido, devido altos custos do maquinário e manutenção. O que se sabe é que há uma grande superioridade deste tipo de tratamento em relação aos outros convencionais. Até o presente, o único hospital no Rio que dispõe deste tratamento é o Calren.

Existe prevenção para o cálculo renal?

Sim, entretanto, uma vez tido um cálculo renal, a pessoa sempre estará susceptível à formação de novos cálculos. A ingestão de aproximadamente dois ou três litros de líquido por dia, associado à diminuição da quantidade de sal e carne reduz a formação do cálculo.

Deve-se lembrar que a melhor forma de saber da saúde dos seus rins é consultando um UROLOGISTA ou NEFROLOGISTA.

A respeito da predisposição da formação de cálculos, se da através da realização da investigação metabólica, e está indicada para os pacientes com litíase recorrente, pois permite assim individualizar o tratamento.